100h

Você dorme uma noite inteira de sono. Acorda aceso como uma tocha. Como uma lâmpada. Você repete cem vezes o mesmo erro. Você erra tanto que não entende mais se existe algo certo ou errado. Você dorme cem vezes a mesma noite e erra cem vezes do mesmo jeito. Quando desperta você percebe que o mundo é a invenção de cem sonhos. Você acorda e da mesma forma que uma lâmpada que pisca cem vezes você dorme. Sempre uma noite de cada vez até a centésima noite – a última. Quando percebe que não há sonho nesse sono você é trazido de volta para dentro de outro sono. Tudo se parece com cem despertares, com cem noites mal dormidas. Daí você escova os dentes depois de quase doze horas dormindo um sono grosso. Intensas doze horas sem pregar o olho. Ruminando sobre uma vida repetida que erra. Diante desses códigos tranquilizadores ativados por cerca de cem horas trabalhando sem parar você vomita um sonho morto. A lâmpada inventa a sincronia de uma vida. Conforme acende e apaga define quem você/nós é/somos. Durante o sono a lâmpada já acendeu e apagou bem mais do que cem vezes. Talvez um milhão de vezes. Você sonha acordado que uma vida errante escorre pelos seus dedos como água da chuva. Você analisa os vestígios de cem dias encapsulados na vida. É noite. Enquanto você dorme você morre cem vezes um dia de cada vez depois todos ao mesmo tempo até agora.

Nenhum comentário: