Tentacle Ensemble Collective


"Antes de isolar a criação como uma cadela no cio, devemos ter a cara de pau de encarar nossas fraquezas em nome de algo maior".
Tizè Xcutl
(ensaísta mexicano)

O nômade acreditava na força da estrada. Sua maior preocupação residia na problemática da sobrevida. Ele pensou inúmeras vezes que este movimento não vinha de seu corpo. Vinha do resto, que permanecia em movimento. Ele e seu corpo eram parte de um fluxo infinito de cinzas. Nessa época, o nômade não conhecia a dor de perder a vontade. Ele sequer tinha tempo de pensar nisso, pois a vida resumia-se no passo.

No ritmo.

"É como a estrutura do universo". Como o substrato do nada. Camadas e camadas de lençóis. De ruído. Acontece que esse ruído dá o start. Esse ruído faz toda a diferença. Esse é o barulho da multidão que não respira.

Forward >>

Nesse instante toda a imensidão do mundo desaparece. Mas a cidade não. Nem as pessoas. Nem eu. Solamente o irreversível. Como o congelamento de uma gota de chuva em plena queda que não tem muito a ver com solidão. E sim com a noite apinhada de pessoas. AutoRec.

Nenhum comentário: